​​


























O QUE HÁ DE NOVO NO KWC BRASIL!


arte finalistas samurai.png

Renata Castilho - São Paulo - Veterinária

"Eu não me lembro de nenhum momento onde não houvesse música na minha vida. Minha família por parte de pai é evangélica, então sempre tive contato com música desde muito nova - com 11 anos já cantava na igreja, junto aos meus primos que tocavam os instrumentos. Embora eu tenha cursado canto lírico, Mariah era minha maior referência. Sempre gostei muito de me desafiar a cantar em tons agudos. Cantei na igreja dos meus 11 aos 18-19 anos, conhecendo intérpretes, compositores e instrumentistas incríveis - devo a eles e a minha professora de canto (Jeanne Pontes) tudo o que eu conquistei até hoje na música. Com 18 anos, ingressei na medicina veterinária e comecei a me dedicar totalmente a profissão. Após um ano de hiato devido a condições de saúde motivadas por stress, resolvi trancar o curso e ingressar em produção musical. Um tempo depois, voltei para a medicina veterinária - minha paixão pelos animais nunca acabaria. Eu estava um pouco afastada do meio musical, mas sempre gostei muito de frequentar karaokês - no caso, o Samurai, que estou muito feliz de representa-los pois é meu favorito!
No entanto, não acreditei que fosse passar na final, em função das disfunções vocais ocasionadas pelo cansaço das longas e exaustivas jornadas de trabalho nas clínicas e hospitais. Quando eu ouvi o meu nome, senti a maior alegria do mundo!
Já estou me preparando para a final Brasil!"  

Dayane Martins - São José dos Campos 

Começou a cantar na igreja evangélica aos 9 anos. Apesar de crescer no gospel, com o passar do tempo seu interesse pelas divas internacionais como, Whitney Houston, Beyonce e Mariah Carey, entre outras, só aumentava. Com 15 anos se casou e seu marido não a apoiava na música e isso a fez desistir dos seus sonhos. Também precisou enfrentar um tratamento para que seu filho nascesse com saúde, pois as estimativas médicas indicavam que havia riscos. "Fiquei alguns anos sem cantar e isso era doloroso, porque a música faz parte de mim....”. Porém deu a volta por cima, seu filho Davi nasceu com plena sáude e hoje, com 5 anos, é o seu maior fã e incentivador.
"Hoje eu canto por ele e pra ele. Há 2 anos me divorciei e hoje eu não desperdício mais as oportunidades por causa de ninguém... Eu sou livre para fazer o que mais amo, que é cantar! Sempre estou nos karaokês e hoje eu estou preparada para ser uma cantora, depois de tanta luta, sofrimento e dificuldades, eu posso dizer que sou FELIZ e tenho um companheiro que me apoia e isso me completa!".
Dayane está se preparando para a Final Brasil e promete surpreender.

arte finalistas altas horas.png
arte finalistas caneca cheia.png

 

 

Rosana Araújo, Araçoiaba da Serra/SP - Esteticista

"Um dia um grupo de amigos me convidou pra ir em uma churrascaria que tinha karaoke e eu sempre gostei de cantar mas nunca tinha cantado para ninguém, até esse dia que eu cantei e todos gostaram, mas mesmo assim não me achava capaz... Um dia vi o anuncio do KWC em 2015, toda minha familia me deu força para me inscrever... foi o começo de um grande sonho, mesmo não ganhando eu conheci pessoas maravilhosas e ganhei dicas construtivas que me ajudaram muito a continuar caminhando, a minha historia com a musica só começou depois do KWC.

Em 2016 tentei novamente e participei de várias seletivas para conseguir chegar na Final Brasil e 2017 não foi diferente, apesar de toda dificuldade que ainda existe, um sonho é um sonho e NÃO VOU DESISTIR!

Participei de outros campeonatos e conquistando alguns prêmios, além de começar a estudar canto e me preparar para competir. Estar na Final Brasil é um passo para Helsinki e vou dar o meu melhor. "

Odilon Fontella, Proto Alegre/RS - Manicuro e Pedicuro.

"Amo minha profissão, sendo incomum para homens, mas a minha história com a música começou cedo, a diretora de minha escola de ensino fundamental Zita Barros foi quem notou o meu talento mirim aos 9 anos de idade, me convidou a cantar pra turma a música da novela carinha de anjo, essa que me via cantarolando nos recreios." Cantou no coral da escola, na igreja e em eventos da cidade de Itaqui, terra natal.

"Em 2011 procurava um lugar com karaokê para desopilar, joguei no Google, fui parar no babilonia videoke, onde fui abraçado e aprendi a amar essa modalidade.

Amo cantar, e o meu maior sonho é viver da música e colher os doces frutos que dela provém. O KWC é uma grande porta para mostrar o nosso talento (cantores amadores). A visibilidade que o concurso nos propõe é imensurável, já me sinto vitorioso em poder representar meu estado nessa linda competição, e se Deus quiser o Brasil em Helsinki."

 

 

Ingrid Militão, Porto Alegre capital do RS,  atualmente trabalha em uma escola de música como estagiária, é aluna de técnica vocal desde os 9 anos com o professor Willian Varela que é o proprietário da escola, além de estudante de Teatro na UFRGS, estágia como fotógrafa e também modelo agenciada pela People de Porto Alegre. "Digamos que faço muita coisa, mas é normal quando dizemos que vivemos pela arte, o que não é muito fácil, então seja lá o que estou fazendo, se cantando, ensaiando um texto, fotografando ou posando, é o que eu amo fazer e adoro estar no meio disso. 

Desde os meus 4 anos declamo poesias, o que mais além me trouxe a música e logo o teatro." 

Em uma noite com muitos imprevistos, ela quase desistiu de ir ao aniversário de sua amiga, "Fomos para o Babilônia, cantei no karaokê, logo que desci do palco recebi o convite da Vivi que trabalha no bar para me inscrever no que seria a última seletiva do KWC aqui no estado antes da final, isso ocorreu quatro dias antes da seletiva. Me inscrevi, passei na seletiva e acabei indo pra final, passei de novo e agora estou muito empolgada e emocionada de participar disso tudo. 

Minhas expectativas com o KWC são as que sempre tenho com relação a tudo que faço com a música, muito amor e energia, me dedico muito a isso, com o campeonato não vai ser diferente." 

 

arte finalistas boteco babilonia.png
Lucas Edu e Camila Gums


Camila Gums, de Blumenau/SC - Publicitária

 "Meu amor pela música cresceu comigo ao longo da minha vida. Comecei a cantar e a tocar saxofone soprano na igreja aos 11 anos e não parei mais."

 

O karaokê sempre fez parte dos seus encontros entre amigos, "o que vale é se divertir. Na real, não somente o karaokê em si, mas o simples fato de sentar numa roda com um violão e cantar até cansar...". Foi no Factory Antonio da Veiga que conheceu o KWC e para minha surpresa foi selecionada para a etapa nacional representando Blumenau- SC. "Agora, vou dar o meu melhor para tentar a vaga para a etapa mundial. Espero aproveitar ao máximo essa oportunidade de participar do KWC! Com certeza será uma experiência nova e muito interessante." 

 

Lucas Edu, Blumenau/SC.

Começou na música com 12 anos, tocando violão e descobriu que era isso que tinha que fazer pelo resto da vida. Comçou a aprender outros instrumentos, estudar, cantar e aos poucos foi se apresentando em colégios e shows pequenos. "Cantar no palco é uma paixão pra mim, é mais que um hobby. Ouvir a plateia cantando junto, dançando e interagindo é o meu combustível. Estou muito feliz de ter passado pra fase nacional, com uma coisa que eu amo tanto fazer. Agora é focar e dar o meu melhor pra ir pra Finlândia! Esse sonho tá mais perto do que nunca de acontecer!"

 

Aline Rovaron, São José dos Campos/SP – Cirurgiã Dentista.

“Sem dúvida, minhas duas paixões são a música e a odontologia. Ambas me proporcionam momentos maravilhosos!”

Começou a cantar aos 3 anos, em conjuntos musicais na igreja. Desde então, não parou mais, porém nunca profissionalmente. Ao incentivo de amigos e família se arriscou nos palcos KWC Brasil e se classificou para disputar o nacional em setembro. 

Idealizadora do projeto Sorria Haiti, um projeto que visa levar saúde a adultos e crianças em situação de extrema miséria no país. 

 

Cassiano Borges, São José dos Campos/SP - Sócio em uma cozinha industrial.

Sua história com a música, começou ainda quando criança. Cresceu em um meio musical, tendo meu pai, meus tios e tias como referência. “Meu pai foi cantor, e um dos fundadores do Clube do Choro Pixinguinha de São José dos Campos. Cantou á vida toda, se apresentando em bares, clubes, hotéis etc… Foi nele, que sempre busquei inspiração para cantar.”

Com o passar do tempo descobriu o gosto por karaokê e paralelamente cantava em corais como: Madrigal Vozes, Coral do CTA. “Algumas pessoas torcem o nariz, quando sabem que somos cantores de karaokê. Pois eu faço questão em dizer: “SOU CANTOR DE KARAOKÊ SIM, E DAI?” Gosto de cantar. Se vai er em um karaokê, á capela, em banda, em grupo no chuveiro, Isso pouco importa. Á única certeza que tenho é que, continuarei á CANTAR.”

“Estou muito entusiasmado, quanto ao concurso promovido pela KWC. Eu não o conhecia, e quando fiquei sabendo, até nem dei muita importância.

Pois, para mim, seria mais um concurso como outro qualquer. E para minha surpresa, comecei a ver que era um concurso sério, com uma estrutura diferente de tudo o que já tinha visto. Foi então que decidi que essa é a hora. Vou dar o máximo de mim, para representar o Brasil na Finlândia, e trazer o troféu para o Brasil.”

 

 

Aline Rovaron e Cassiano Borges no Mundial de karaoke
dsc_2062b.jpg

RODRIGO FRAGOSO – “QUANDO ME CONHECER”

Jurado confirmado para a final do Calabouço Heavy & Rock - Rio de Janeiro

 

“... Eu sempre cantei. Cantava no chuveiro, em todos os cômodos da casa, cantava nos intervalos das aulas (e, às vezes até durante), cantava na hora do recreio, na rua... Estava sempre cantando”. Nascido na cidade de Clermont-Ferrand, na França, Rodrigo Fragoso cresceu no bairro carioca da Tijuca, fazendo música, jogando bola, praticando capoeira, ginástica olímpica, natação, escoteirismo. Formado em Direito, profissão exercida pelo avô materno, curiosamente o maior incentivador para que o neto abraçasse a carreira artística. Um novo mundo abriu-se para o adolescente. Renato Russo, Cazuza e Arnaldo Antunes passaram a influenciar o participante de concursos de poesia, que começou a compor suas próprias músicas. Vieram as bandas, formadas com os amigos, entre elas, uma apropriadamente chamada ‘Menino Prodígio’, com a qual Rodrigo venceu sete, dos oito festivais disputados. Muita estrada – alguns desenganos – e apresentações em bares e casas noturnas prepararam o jovem artista de voz firme e rascante para o próximo passo: a carreira solo.

‘Quando me conhecer’ é o nome do álbum de estreia de Rodrigo Fragoso. Produzido e arranjado por Vini Lobo, com participações especiais dos músicos Chico Chagas (acordeom) e Marcos Suzano (pandeiro), o disco foi mixado por Fabrício Mattos, que já trabalhou com artistas como Tiago Iorc, Ritchie e Leoni, e masterizado pelo lendário engenheiro de som Ted Jensen, presente em produções de John Mayer, Paul McCartney e David Mattews Band. Despudoradamente pessoal ao tratar de questões universais, o papo de Rodrigo é reto em canções cujas letras, algumas vezes extensas, são sempre intensas.  Cheio de vigor, Rodrigo Fragoso chega ao primeiro disco com a mesma disposição do garoto tijucano que se atirava sem medo às novas descobertas. Certamente um novo público será conquistado quando o conhecer.

   


 

MIKE MAIA

Mike nasceu em Pernambuco e descobriu sua paixão por música aos 9 anos, quando começou a cantar em igrejas. Mudou-se para São Paulo, aperfeiçoou o talento nato aprendendo algumas técnicas e passou a fazer apresentações em casamentos e em corais da escola.

Hoje Mike expressa sua vocação natural por meio de diversos estilos musicais, mas alimenta grande paixão pelo blues e jazz. Suas influências são Ray Charles, Etta James, Leonardo Gonçalves, Gavin James, Djavan, Caetano Veloso, entre outros.

Em 2016 foi campeão brasileiro do maior campeonato de Karaokê do mundo, o KWC - Karaoke World Championships – ganhando a vaga para representar o Brasil na grande final, em Vancouver. Numa acirrada disputa, conquistou o 7° lugar no Mundial e teve a honra de fazer parte do seleto Top 10 dos melhores da competição. Logo após essa vitória, realizou sua primeira gravação profissional da sua carreira artística, lançando a música e o clipe "Eu não sei", de sua autoria.

 

 

BRUNA HIGASHI

Apaixonada por música desde a infância e canta para o público desde os 14 anos de idade. Apesar de ser roqueira de carteirinha, é eclética e versátil, cantando diversos estilos como pop e rock nacional e internacional, música pop japonesa e também teatro musical. Suas principais influências são: Heart, Evanescence, Halestorm, Abba e as grandes divas como Céline Dion e Whitney Houston.

Descendente de japoneses, participou e ganhou diversos concursos de canto voltados para música pop/rock japonesa, sendo atualmente a Bi-campeã do Animeke Show (2009 e 2014), cujos prêmios foram duas viagens ao Japão. Em 2016 foi a campeã brasileira do KWC - Karaoke World Championship e foi a Vancouver, Canadá representar o Brasil na final mundial, onde foi terceira colocada.

Tem mais de 15 anos de experiência com bandas e apresentações para pequenos e grandes públicos, de bares e casas noturnas a grandes festivais como o AnimeFriends.

   



 

 

 

 

Os Nossos Brasileiros brilharam nos palcos canadenses. Cantar com pessoas do mundo todo não é pra qualquer um, mas com muita garra defenderam o país e tiveram ótimos resultados:

Categoria DUETOS: 4° Lugar

Categoria Individual:

Bruna Higashi - 3° Lugar

Michael Douglas - 7° Lugar

 

#gobrazil #gokwcbr #kwcbr

SURREAL!

Domingo 4/ Setembro de 2016 entre 40 candidatos Bruna Higashi e Michael Douglas se destacaram e foram eleitos Campeões Brasileiros. Segunda feira já estavámos no Rio de Janeiro e Terça de Manhã cantaram no Programa da Fatíma Bernardes. Sensação Indescritível. Frio na Barriga pelo quesito AO VIVO.

Emocionante ver a marca exposta em um programa de peso pelo segundo ano consecutivo. Os Cantores.. Não preciso dizer que eles arrasaram. Estamos apenas AGRADECIDOS!

Confira: https://www.youtube.com/watch?v=SplFUN8AtGc



IMG_20170127_111343_162.jpg

Parabéns aos Campeões KWC Brasil 2016

Bruna Higashi e Michael Douglas, vocês serão os nossos representantes brasileiros em Vancouver, Canadá entre 30 países na Final Mundial.
Confiram os videos dos campeões: http://bit.ly/2cF6XGd
Na foto com as Organizadoras Brasil: Izabel Nori e Teka Barnabe

O BRASIL EM SINGAPURA

Campeões eleitos, passaportes tirados, músicas preparadas, roupas escolhidas e muitas borboletas no estomago , mas um compromisso com o país e um sonho de se tornar campeões MUNDIAIS.

Enfrentaram 26 horas de viagem e finalmente pisaram em solos asiáticos. Em clima de confraternização os 30 países se reuniram para o coquetel onde foram muito bem recebidos.

"I'm from Brazil." 

"Brazil, i love it."

Nossos cantores surpreenderam com suas vozes e presença de palco, um talento que ultrapassa o campo de futebol ou o sambodrómo.

Em 3 dias de competição, 20/21/22 de Novembro,2015 os brasileiros venceram o sono para não perder um segundo da competição que transmitida mundialmente através da KWC TV  e Portal GVK Brasil que contabilizou 35 mil brasileiros as 6h da manhã.

Com o coração batendo forte, vibramos a cada apresentação. Resultado: Phil Wennerstrom ficou entre os 5 melhores e a Mariana Moi entre as 12 melhores do MUNDO!

Eles são os nossos CAMPEÕES!!!

Lembrem-se sempre, nós temos muito orgulho de vocês.




 


Na final Brasil dois candidatos se destacaram aos olhos dos nossos Jurados, entre 34 candidatos maravilhosos com vozes marcantes entre outras performances originais.

Mariana Moi – Professora de Artes - SP

Phil Wennerstrom – Analista de Sistemas - RJ

Confira as fotos da final Brasil: http://on.fb.me/24aWy6T

Confira o TOP FIVE KWC BRASIL 2015 http://bit.ly/1Qi91jG

Agradecemos todos os apoiadores por acreditarem em nosso projeto.


Aos nossos Jurados

Tchaka , João Marcondes (Conservatório Sousa Lima), Joe Hirata, Moises Lima e Vivian Costa Manso

Aos apresentadores que abrilhantaram a noite.

E claro, a todos os participantes do KWC BRASIL 2015.

Esperamos vocês este ano!